Decifrando o TOC: sintomas,  tratamento e dicas práticas

Decifrando o TOC: sintomas, tratamento e dicas práticas

O medo fora do controle de se contaminar, a necessidade de estar constantemente lavando as mãos, a ideia de evitar certos lugares por medo de algo ruim acontecer, ou aflição diante da desorganização de objetos, ou roupas são sintomas característicos do TOC.

 

Popularmente conhecidos como manias de limpeza e arrumação, esse transtorno vai muito além de não gostar de como estão organizados os objetos pela casa. Neste artigo vamos decifrar o TOC e falar sobre os sintomas mais comuns para que você saiba lidar com o seu TOC, ou com alguém que sofra com o Transtorno Obsessivo-Compulsivo.

 

Ficou curioso? A Clínica Crescer te explica tudo! Continue a leitura conosco! 

 

O que é o TOC?

O Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) é uma condição psicológica que se caracteriza pela presença de obsessões, compulsões ou ambos. Essas obsessões geralmente se manifestam como pensamentos, impulsos ou imagens involuntárias e indesejáveis que invadem a mente, causando intensa ansiedade ou desconforto. 

 

Como forma de lidar com essas obsessões, o indivíduo é compelido a realizar rituais ou compulsões, que nada mais são do que atos físicos ou mentais executados como resposta. Nesse sentido, elas têm o objetivo de evitar ameaças como contaminação ou incêndios, prevenir possíveis falhas ou simplesmente aliviar desconforto físico.

 

Como eles podem evitar as supostas ameaças? Evitando o contato com determinados lugares, objetos que outras pessoas tocaram ou até mesmo pessoas como uma forma de aliviar seus medos e preocupações. 

 

É comum que pessoas que tenham TOC evitem banheiros públicos, hospitais, cemitérios, pegar em notas de dinheiro, telefones públicos e maçanetas, por exemplo.

 

Mas você sabe quais são os sintomas mais comuns de quem lida com o Transtorno Obsessivo-Compulsivo? 

 

Sintomas do TOC

Não dá para saber ou computar exatamente quantos sintomas uma pessoa com TOC pode apresentar, uma vez que existe uma variada gama de possibilidades. Ainda assim, podemos definir alguns fatores como determinantes, são eles: os pensamentos obsessivos e ações compulsivas.

 

Os sintomas do Transtorno Obsessivo-Compulsivo podem se manifestar de forma leve e sutil, o que pode dificultar a detecção precoce e, consequentemente, o diagnóstico e tratamento adequados do TOC.

 

Sintomas de Obsessão

  • Medo de estar contaminado ou sujo o tempo inteiro;

  • Anseio e preocupação com a simetria de objetos;

  • Pensamentos agressivos e indesejados;

  • Necessidade de aplicar uma ordem correta para objetos.

 

Sintomas de Compulsão

  • Mania de limpeza;

  • Lavagem das mãos em excesso;

  • Verificação repetida de coisas simples;

  • Contagem compulsiva;

  • Ações repetidas compulsivamente;

  • Organização excessiva.

 

Claro que esse foi apenas um resumo simples. Vamos ver um pouco sobre os sintomas mais comuns, juntos?

 

Higienização em excesso

A higienização excessiva, também conhecida como “mania de limpeza”, é um dos sintomas mais conhecidos do Transtorno Obsessivo-Compulsivo. 

 

No entanto, é importante ressaltar que esse sintoma não se limita a uma pessoa que gosta de manter as coisas limpas e organizadas, uma vez que os pensamentos obsessivos e comportamentos compulsivos relacionados à limpeza e higiene podem impactar no dia a dia e até causar sofrimento emocional.

 

A pessoa com TOC pode acabar higienizando várias vezes objetivos com medo de contaminação.

 

Contagem compulsiva

A necessidade de contar coisas é outro sintoma considerado comum em quem tem TOC. A pessoa se vê fissurada em contar quantos talheres tem em uma gaveta ou quantos lápis tem na bolsa, entre outras coisas.

 

Embora possa parecer uma mania inofensiva, na verdade, pode ser um comportamento compulsivo resultante de pensamentos intrusivos e obsessivos da pessoa, causando angústia, ansiedade e dificultando sua capacidade de realizar tarefas.

 

A pessoa com TOC tende a refazer o processo de contagem repetidas vezes, o que pode até atrapalhar a produtividade e execução de atividades do dia a dia.

 

Organização de coisas de forma precisa

Não há problema algum em querer manter a organização do quarto, do carro ou da sala organizados. Afinal, a bagunça e a desordem podem tornar o ambiente desorganizado, o que, muitas vezes, dificulta a execução de tarefas simples.

 

Alguns comportamentos repetitivos, como a necessidade de simetria nos móveis, a compulsão por alinhar canetas por cor na mesa ou a tendência de refazer atividades várias vezes, podem ser sinais que merecem atenção.

 

A grande questão deste sintoma do TOC é o excesso! 

 

Existem vários outros sintomas que podem compactuar com um possível diagnóstico do Transtorno Obsessivo-Compulsivo além dos que citamos aqui. Se você estiver passando por qualquer um desses, ou sofrendo com pensamentos obsessivos, não hesite em procurar ajuda!

 

Falamos dos sintomas e do que é o TOC, de forma que é importante falarmos sobre as causas, certo? 

 

Causas do TOC

Há uma série de pesquisas em andamento visando compreender plenamente as causas do Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Dentre os principais fatores apontados, estão a biologia, a genética e o ambiente onde a pessoa vive.

 

Alguns estudos sugerem que alterações no corpo e no cérebro, bem como predisposições genéticas para possíveis distúrbios nos genes, podem favorecer o desenvolvimento do transtorno. Embora o TOC tenha uma base genética, não é considerado o único ou o fator central na causa da doença.

 

Além desses fatores, o meio ambiente pode ser um item a ser considerado na causa do TOC. As condições externas, como infecções, situações estressantes e estilo de vida, podem ter um impacto relevante. 

 

Os fatores psicológicos também podem desempenhar um papel significativo no surgimento do transtorno. Pessoas que aprenderam a lidar com seus medos e ansiedades inadequadamente podem recorrer a rituais para obter a sensação de segurança e confiança necessárias para realizar suas atividades diárias. 

 

Esse comportamento pode reforçar as compulsões, tornando o TOC mais persistente e intenso. Como resultado, é importante que as pessoas aprendam a lidar com seus medos e ansiedades de maneira saudável e adequada para prevenir o desenvolvimento do TOC.

 

E é muito importante lembrar que ninguém está sozinho, e não se deve ter medo de buscar ajuda! A psicoterapia pode te ajudar, sabia? Conte com a Clínica Crescer para cuidar da sua saúde mental

 

Como a família pode ajudar alguém com TOC?

Conviver com pessoas que têm Transtorno Obsessivo-Compulsivo pode ser desafiador, exigindo paciência e compreensão. A participação da família nesse processo é fundamental para ajudar a pessoa a lidar com os sintomas e melhorar sua qualidade de vida.

 

É comum que pessoas com TOC tenham comportamentos compulsivos que podem afetar diretamente a rotina familiar, como passar horas realizando tarefas específicas de limpeza ou exigir que os demais membros da família sigam seus padrões rígidos de organização. 

 

Nesses casos, a família pode ajudar o paciente a identificar e lidar com seus comportamentos compulsivos, estabelecendo limites saudáveis e incentivando a busca de tratamento adequado.

 

Além disso, a família também pode desempenhar um papel fundamental no apoio emocional do paciente, ouvindo suas preocupações e ajudando-o a encontrar maneiras de lidar com a ansiedade e o estresse associados ao TOC. 

 

Separamos duas dicas importantíssimas para você saber o que pode fazer para ajudar uma pessoa com TOC. 

 

Evite comportamentos hostis e grosseiros

Algumas pessoas com TOC criam rituais para lidar com suas obsessões e podem exigir que seus familiares os sigam, como, por exemplo, limpar o sapato várias vezes ao chegar em casa.

 

Tenha paciência e evite ofender ou criticar. Muitas vezes quem tem esse transtorno sofre, também, com baixa autoestima e vergonha de sua condição. 

 

O ideal é evitar julgamentos e aprender como enfrentar o TOC em conjunto. 

 

Reconheça os pequenos avanços

Tratar o TOC tende a ser bastante exaustivo para quem sofre com esse transtorno, sendo assim, é importante que medos e angústias sejam superados juntos. 

 

A melhor forma de você ajudar, nesse caso, é demonstrando apoio, reforçando que a pessoa não está sozinha e reconhecendo quando notar melhoras no dia a dia. 

 

Assim, você ainda encoraja e incentiva para que ela continue com o tratamento e melhore a autoestima. 

 

Pessoas famosas com TOC

Você sabia que as pessoas famosas não estão imunes às condições de saúde mental? E o Transtorno Obsessivo-Compulsivo não é exceção! Muitas celebridades já falaram abertamente sobre sua luta contra o TOC, mostrando ser uma condição que pode afetar qualquer um, independentemente do status social ou financeiro. 

 

Ao falar sobre suas experiências, essas personalidades ajudam a conscientizar o público sobre a natureza do TOC, e é uma condição de saúde mental que pode ser tratada com sucesso.

 

Vamos ver alguns dos famosos com TOC?

 

Katy Perry

A cantora americana revelou à revista “Q Magazine” que sofre de Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) e que percebeu que seus sintomas se intensificam durante os shows. Ela também compartilhou outras coisas que a incomodam excessivamente, como maquiagem quebrada, pelos de animais de estimação e marcas de digitais em seus óculos.

 

Justin Timberlake

O cantor americano afirmou ser afetado pelo TOC, que tem uma necessidade de observar tudo perfeitamente alinhado. Ele também alegou que em sua geladeira, os alimentos precisam estar em lugares específicos seguindo uma ordem determinada. Apesar de o TOC ser incômodo, Timberlake deixou claro que isso não o impede de viver e que ele tenta controlar seus comportamentos compulsivos. 

 

Luciana Vendramini 

A modelo e atriz brasileira já relatou que teve alguns episódios intensos de TOC, que ela desenvolveu aos 26 anos. Ela relatou em entrevistas que chegou a ficar 26 horas parada embaixo de um fio de alta tensão tentando atravessar a rua e que tomava banhos que demoravam cerca de 10 horas. 

 

Charlize Theron

A atriz sul-africana já contou que tem mania de checar todas as gavetas e armários quando chega em algum local. E que essa condição se torna mais significativa quando ela precisa se mudar de um lugar para o outro. 

 

Daniel Radcliffe

O intérprete do bruxinho mais famoso dos cinemas, surpreendeu a todos quando revelou que sofre com os transtornos desde os 5 anos, quando desenvolveu impulsos de repetir sussurrando cada frase que falava. 

 

Roberto Carlos

Um dos casos mais populares de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) no Brasil é o do cantor Roberto Carlos. Em entrevista ao Fantástico, o músico da velha guarda explicou que se encontra em constante tratamento. Uma das obsessões mais conhecidas dele é o fato de nunca usar a cor marrom e repetir azul com frequência. 

 

Afinal, o TOC tem cura?

Ao abordar o Transtorno Obsessivo-Compulsivo, surge a questão se há uma cura definitiva para essa condição. No entanto, quando se trata de distúrbios psicológicos, é difícil afirmar com certeza que uma pessoa está curada e nunca mais sofrerá com os sintomas do TOC. 

 

Em vez disso, o tratamento para o TOC se concentra em reduzir a frequência e a intensidade dos sintomas e ajudar o paciente a aprender novas habilidades para gerenciar seus pensamentos e comportamentos. 

 

A ideia é facilitar para a pessoa ter uma vida satisfatória e funcional, mesmo com o diagnóstico de TOC.  

 

Existe algum tratamento eficaz para o TOC?

Na verdade, existe mais de um tratamento eficaz para o TOC. 

 

O tratamento mais comum é a terapia cognitivo-comportamental (TCC), que envolve terapia de exposição e prevenção de resposta (ERP). 

 

A TCC ajuda o paciente a enfrentar gradualmente suas obsessões e compulsões e a aprender novas maneiras de lidar com seus pensamentos e comportamentos.

 

Além disso, medicamentos podem ser prescritos por um profissional de saúde para controlar os sintomas do TOC. Os antidepressivos, especificamente os inibidores seletivos da recaptação de serotonina, são frequentemente usados para tratar o TOC. 

 

É importante mencionar também que outros medicamentos, tais como antipsicóticos atípicos e ansiolíticos, podem ser utilizados, desde que haja a prescrição de um psiquiatra e profissional de saúde. 

 

Ah, e outra coisa importante! A combinação da terapia cognitivo-comportamental com medicamentos pode ser uma opção ideal para pessoas que sofrem com TOC.

 

Veja mais sobre os benefícios de um tratamento psicoterapêutico aqui.

 

É importante lembrar também que o tratamento para o TOC deve ser personalizado para as necessidades individuais de cada paciente, e o acompanhamento de um profissional de saúde qualificado é essencial. 

 

Cuidar de si mesmo e das pessoas que amamos é uma tarefa importante e desafiadora. É por isso que a Clínica Crescer oferece um acompanhamento psicológico humanizado para ajudar você a enfrentar os desafios da vida. 

 

Conte com a clínica crescer, e veja todas as possibilidades para te ajudar a lidar com o TOC. Estamos prontos para atender você e sua família.

Whatsapp